Um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que 1.3 milhão de pessoas morrem anualmente no trânsito. Além disso, apontou que até 2030, esse número poderá chegar a 2,4 milhões, caso medidas não sejam tomadas. Os usuários mais vulneráveis são os pedestres. Além de motociclistas e ciclistas. Entretanto, os dados mostram também que, 44% dos países no mundo não têm políticas que estimulem o uso de transporte público como alternativa aos automóveis.

O Brasil não tem um retrato diferente. Consequentemente, a combinação entre direção, condutor e pedestre tornou-se uma arma mortal que ceifa a vida de mais de 40 mil pessoas por ano.

Os dados são alarmantes:

  • O Brasil é o quinto país com mais vítimas no trânsito. Acima de tudo, atrás apenas de Índia, China, Estados Unidos e Rússia;
  • No Brasil a violência no trânsito faz mais de 40 mil vítimas fatais por ano. Portanto, uma média de 110  mortes diárias. Ou seja, isso equivale à queda de um avião de grande porte lotado a cada três dias;
  • Em 18 meses de conflito na Síria, morreram 27 mil pessoas. Além disso, em um ano, 40 mil brasileiros tombaram em ruas e estradas;
  • O número de vítimas fatais por acidentes aumentou em 24% em oito anos, de 32.753 registrados em 2002 para 40.160 em 2010, segundo dados do Ministério da Saúde em 2011.

Vamos refletir esses números e aproveitar a Semana Nacional do Trânsito para nos conscientizar e transformar essa realidade de que 1.3 milhões de pessoas morrem anualmente no trânsito.