Embora seja responsável por apenas 30% das viagens feitas nas maiores cidades do país, o transporte individual (carros e motos) recebe três vezes mais recursos públicos do que o transporte coletivo. Portanto, os dados estão entre os números apresentados no relatório Sistema de Informações. Ou seja, da Mobilidade Urbana, da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), divulgado na semana passada. Além disso, 5 dados mostram como o transporte público não é prioridade no Brasil.

A ANTP analisou 5 aspectos relativos à mobilidade, sempre comparando o transporte coletivo com o individual. Os dados incluem os municípios brasileiros com mais de 60 mil habitantes. Em outras palavras, no total, foram incluídas 438 cidades, responsáveis por 61% da população nacional.

Veja a seguir os 5 dados que mostram como o transporte público não é prioridade no Brasil, apesar do discurso de priorização do transporte público, a realidade atual ainda é outra:

1. 57,2% das distâncias percorridas pelas pessoas é feita em transporte público

Em 2012, ano de referência da pesquisa, os brasileiros percorreram 432 bilhões de quilômetros, usando várias formas de deslocamento (carro, moto, ônibus, trilhos, bicicleta e até a pé).

Enquanto o transporte público é responsável por 57,2% das distâncias percorridas, os automóveis só são usados para 31% das distâncias.

2. O transporte coletivo representa 29% das viagens, mas consome 49% do tempo gasto pelas pessoas

Segundo a pesquisa, os moradores das cidades analisadas gastam 22,4 bilhões de horas por ano em seus deslocamentos.

Quase metade (49%) deste tempo é gasto em transporte público – embora só 29% das viagens sejam feitas por meios de transporte público.

3. 72% de toda a energia consumida em transportes em um ano foi gasta por automóveis

São consumidos cerca de 13,5 milhões de Toneladas Equivalentes de Petróleo (TEP) por ano nos deslocamentos. Deste total, 72% é gasto no uso do automóvel e 24% no transporte público.

4. Transporte individual é responsável por 77% dos gastos públicos com mobilidade

Em 2012, os custos individuais em mobilidade foram estimados em R$ 184,3 bilhões, dos quais o transporte individual é responsável por 79%.

Os custos arcados pelo poder público foram estimados em R$ 10,3 bilhões por ano, sendo que 77% é destinado ao transporte individual.

Por custo individual entende-se os arcados pelos usuários ou por empregadores quando há uso de vale transporte. Por custos arcados pelo poder público, entende-se o gasto com manutenção do sistema viário.

5. Transporte individual provoca custo de acidente de trânsito 6 vezes maior que o coletivo

O custo total com acidentes de trânsito é de R$ 15,2 bilhões por ano. O transporte coletivo responde por um gasto de R$ 2,2 bilhões, enquanto o transporte individual consome R$ 13 bilhões, mais de 6 vezes mais.