No Brasil 90% das mortes e acidentes de trânsito são pelo fator humano nas vias do país. Em suma, isso foi mostrado em estudo feito em 2015 pelo Observatório Nacional de Segurança Viária. Em 2011 durante o Encontro Nacional dos Detrans, realizado pela AND (Associação Nacional dos Detrans), foi apresentado um estudo que mostrava esse mesmo percentual aos Diretores e Presidentes dos Órgãos Executivos de Trânsito do país em Brasília. Entretanto, segundo esses dois estudos, 5% dos acidentes são causados por falhas mecânicas dos veículos. Assim como mais 5% por questões relacionadas às condições das vias.

Além disso, partindo do exposto podemos inferir que somos responsáveis pelo caos hoje vivido em nosso trânsito. Da mesma forma, um veículo parado sem a ação humana não provoca acidente ou morte alguma. Portanto, a ação humana é responsável por produzir mais de 90% das mais de 40 mil mortes no trânsito brasileiro que ocorrem todo ano. Então, consequentemente, essa mesma ação pode agir positivamente e mudar a realidade violenta que hoje presenciamos no país. No entanto, alguns fatores devem ser considerados nessa questão toda. Confira:

Imprudência, negligência e a imperícia.

O agir de forma imprudente está relacionado ao desrespeito às normas e leis de trânsito. Como por exemplo, dirigir usando o celular e avançar preferenciais. Portanto, a negligência está ligada ao descaso com um problema mecânico no veículo, por exemplo. Ou seja, isso pode gerar um acidente. No entanto, a imperícia diz repeito a ausência de habilidade para executar determinada tarefa. Assim como através da ação de condutores não habilitados dirigindo veículos em nossas cidades.

Nossas ações devem ser no sentido de melhorar as relações sociais em nossas vias. Além de contribuir de maneira efetiva e positiva para a redução de acidentes e mortes no nosso trânsito. No entanto, a ação humana é responsável por 90% da violência em nossas vias. Entretanto, podemos e devemos agir também de maneira que possamos alcançar o mesmo percentual, mas de procedimentos corretos. Além de praticarmos atitudes com o intuito de construirmos um trânsito mais seguro e que tenha a vida como prioridade. Devemos nos compreender como agentes sociais que podem sim transformar essa realidade violenta que vivenciamos atualmente.

Em suma, devemos agir norteados por uma perspectiva social distinta da que hoje praticamos, o engajamento deve ser de toda a sociedade. Uma nova postura para com o trânsito, sendo essa de forma a priorizar a vida e conduzida por uma disciplina consciente, deve ser um exercício diário. As ações de engenharia, de fiscalização e de educação no trânsito devem ser constantes e sem problemas de continuidade, além do que, a ação consciente de transeuntes, motoristas e motociclistas devem ir ao encontro da construção de um trânsito mais seguro e melhor a todos.

Portanto, para mudar o quadro de que 90% das mortes e acidentes de trânsito são pelo fator humano, precisamos nos conscientizar e agir de maneira correta.