As mortes no trânsito brasileiro crescem cerca de 2%, segundo dados do Ministério da Saúde. Portanto, a redução dos sequelados e de vítimas fatais depende de ações que integram a sociedade, os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Conforme planejamento do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), estruturado em quatro pilares. Confira as ações em cinco setores podem reduzir mortes no trânsito.

Fiscalização

Uma das ações cruciais neste setor é a criação de varas especiais para julgar crimes de trânsito para combater a impunidade. Além disso, outra proposta é criar delegacias especiais para tratar somente de crimes de trânsito e acelerar o atendimento às ocorrências. Então o observatório propõe também a formatação de um manual. Nele estão concentradas as boas práticas em fiscalização de trânsito nos Estados e municípios.

Infraestrutura e gestão

Uma das intenções é ampliar esforços nos processos de municipalização da gestão do trânsito. Ou seja, alia-se a esta ideia a integração dos bancos de dados relacionados  acidentes de trânsito.

Segurança Veicular

Nesta vertente, propõe-se a vistoria veicular periódica, já prevista no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Que já é feita corretamente no Estado do Rio de Janeiro como forma de garantir o tráfego de carros e motocicletas em bom estado de conservação.

Entretanto, a implantação de políticas de programa de incentivo ao uso seguro de motocicletas é outro ponto. Também é considerado importante o incentivo de políticas que estimulem a introdução e aquisição de equipamentos de segurança e seus condutores.

Saúde

Na área da saúde, o ONSV propõe uma política de investimentos para o atendimento exclusivo das vítimas de acidentes de trânsito. Em primeiro lugar, a consolidação do serviço de atendimento móvel (SAMU) em todo o país. Segundo a reinserção de vítimas com sequelas no mercado de trabalho.

Educação

Nesta vertente, o planejamento propõe implantar a Educação para o Trânsito nas escolas públicas e privadas do 1º ao 9º ano. Então, conforme previsto no CTB. Depois disso, consolidar o processo de mudança na formação de novos condutores no Brasil. Contando com o envolvimento dos Detrans, CFCs e Instrutores. Também faz parte do planejamento elaborar campanhas permanentes de educação. O foco é a formação da percepção de risco que o trânsito apresenta.

 

Esperamos que tenham gostado das ações em cinco setores podem reduzir mortes no trânsito.