Garantir um trânsito mais seguro exige responsabilidade e atenção, tanto dos condutores de veículos quanto dos pedestres e ciclistas. Portanto, buscamos algumas dicas com a Associação de Medicina de Trânsito de São Paulo (Ametran). Ou seja, São cuidados que você deve ter, estando ou não atrás do volante. Então, a boa convivência no trânsito sempre será resultado de respeito mútuo!

Evitando colisões com pedestres

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) responsabiliza os condutores pela segurança dos pedestres. Portanto, confira algumas dicas que vão ajudar a zelar pelo bem de todos:

  • Quando houver semáforo, é ele quem determina quem deverá passar
  • Quando não houver sinalização (como semáforos ou faixas), o pedestre deverá esperar que os veículos parem para efetuar a travessia com segurança
  • Quando houver faixa de pedestre sem sinal luminoso, a preferência é do pedestre. Neste caso, o condutor deve parar e aguardar sua travessia – lembrando que, para sua segurança, o pedestre deve se certificar de que foi visto pelos motoristas e motociclistas

Cuidados que o condutor deve tomar:

  • Ser gentil e facilitar a vida do pedestre sempre que possível, dando oportunidade para que ele utilize as vias. Isso inclui, principalmente, crianças e pessoas com deficiência física ou dificuldade de locomoção, como os idosos
  • Tentar prever a reação do pedestre, reduzindo a velocidade e redobrando a atenção
  • Lembrar que, na condição de pedestre, o motorista/motociclista também se sente vítima da intolerância de outros condutores
  • Muitos atropelamentos têm como vítimas pedestres alcoolizados. Tenha sempre atenção, pois mesmo que não haja culpa de quem está dirigindo, um atropelamento é sempre uma tragédia

O pedestre deve:

  • Atravessar sempre na faixa de segurança e só com a certeza de que o motorista notou a sua presença
  • Quando não houver faixa, aguardar pelo momento oportuno
  • Procurar atravessar a rua sempre transversalmente, percorrendo a menor distância no menor tempo
  • Caminhar, de preferência, pelo lado de dentro das calçadas
  • Procurar identificar os sinais do motorista ou motociclista, especialmente em relação a avançar o sinal
  • Bicicletas e patinetes, bem como quaisquer veículos não motorizados, são frágeis e vulneráveis. Por isso, eles têm preferência sobre os demais veículos automotores. Para evitar problemas com eles, você, motorista, deve:
  • Dar preferência e facilitar a passagem de ciclistas e usuários de outros veículos não motorizados, em cruzamentos e conversões à esquerda e à direita
  • Manter distância lateral de, no mínimo, 1,5 metros
  • Conferir constantemente pelos retrovisores, com especial atenção para os “pontos cegos”
  • Tomar cuidado ao abrir as portas do veículo quando estiver parado em congestionamentos ou cruzamentos
  • Entender que, à noite, é ainda mais difícil notar os ciclistas, pois muitos não usam os refletivos previstos em lei
  • Anunciar a presença com leves toques de buzina

Os ciclistas também precisam fazer a sua parte! Eis alguns toques para quem vive pedalando pela cidade:

  • Em primeiro lugar, se conscientizar da sua fragilidade e equipar a sua bicicleta com dispositivos refletivos de segurança
  • Usar o capacete adequado. Mesmo pequenos acidentes podem resultar em traumatismos cranianos
  • Não utilizar fones de ouvido. Usar a audição exclusivamente para os sons do trânsito
  • Trafegar preferencialmente por pistas exclusivas (ciclovias)
  • Ser previsível, certificando-se de que está sendo visto tanto por motoristas e ciclistas como por pedestres

Gostou das dicas de boa convivência no trânsito sempre será resultado de respeito mútuo?

Participe, envie seu comentário e ajude a construir um trânsito cada vez mais gentil e seguro para motoristas, motociclistas e, claro, pedestres!