O Brasil se compromete a melhorar os transportes públicos até 2030. Em outras palavras, dará atenção especial às necessidades das pessoas mais vulneráveis, como os idosos. Portanto, a meta é uma das que estão fixadas na nova agenda global das Nações Unidas. Ou seja, foi aprovada por unanimidade durante a Cúpula da ONU sobre o Desenvolvimento Sustentável. E realizada em Nova Iorque no último final de semana.

Nela, os 193 estados-membros das Nações Unidas, incluindo o Brasil, assumem a responsabilidade de proporcionar acesso a sistemas de transporte seguros. Assim como sustentáveis e a preço acessível para todos nos próximos 15 anos.

O que diz o diretor-presidente do ONSV (Observatório Nacional de Segurança Viária), José Aurelio Ramalho:

A inclusão do tema em mais uma agenda da ONU reforça a importância de medidas para aumento da segurança no trânsito. “Toda vez que uma diretriz vem das Nações Unidas, por ser de âmbito mundial, isso fortalece, dá legitimidade e consistência para o desenvolvimento de ações voltadas ao tema. Portanto, isso saltou os olhos das autoridades para a necessidade do mundo tomar alguma atitude”.

Ele explica que o investimento em transporte público de qualidade e acessível é uma medida importante para aumentar a segurança no trânsito. Ou seja, uma vez que reduz o número de carros nas ruas. “A explosão das motocicletas é um exemplo. Em outras palavras, hoje é mais barato ter uma moto que andar de ônibus. Seja pela disponibilidade, pelo custo ou pela frequência”. Diz o diretor-presidente do ONSV. Para se ter uma ideia, em dez anos, a quantidade de motocicletas no país mais que triplicou. E, embora esse tipo de veículo represente 27% de toda a frota nacional, os acidentes com moto respondem por 76% das indenizações pagas pelo Seguro Obrigatório DPVAT. “O transporte público, se bem gerido e oferecido à sociedade com disponibilidade, frequência e qualidade, leva o cidadão para esse modal e. Portanto, reduzindo o risco de acidentes”. Complementa.

Entenda melhor:

O tema já foi tratado pela ONU nos Objetivos do Milênio, que preveem, entre outras coisas, que todos os países devem tornar as cidades inclusivas. Além de seguras e sustentáveis. Também é abordado na Década de Ação pela Segurança no Trânsito, na qual governos de todo o mundo assumiram a responsabilidade de adotar medidas para reduzir pela metade, as mortes em acidentes de trânsito até 2020. Essa meta foi mantida na Agenda de Desenvolvimento Sustentável, que contempla, ao todo, 17 objetivos globais.

Portanto, segundo a matéria, Brasil se compromete a melhorar os transportes públicos até 2030.