O Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran SP) criou a 2ª Junta Administrativa de Recursos de Infrações (Jari). Em primeiro lugar,  acelerando o julgamento dos motoristas que são flagrados dirigindo sob efeito de álcool ou outras substâncias psicoativas. Além daqueles que se recusam a realizar o teste do bafômetro. Portanto, casos de alcoolemia serão julgados com mais rapidez em São Paulo.

A iniciativa dobra a capacidade de julgar os recursos de multas. Da mesma forma, a suspensão e cassação do direito de dirigir dos autuados pela Lei Seca no Estado de São Paulo.

Em novembro de 2015, o Detran SP criou a 1ª Jari de Alcoolemia e Substâncias Psicoativas em uma ação pioneira no país. Ou seja, concentrando os julgamentos de casos relacionados ao tema. Até fevereiro de 2016, foram analisados 1.577 recursos, uma média de 400 casos por mês. No entanto, antes da centralização, eram cerca de 380 julgamentos mensais e o objetivo é que a 2ª Jari agilize ainda mais esse processo.

De acordo com a nova Lei Seca, o motorista que for flagrado dirigindo sob efeito de álcool ou outras drogas psicoativas recebe multa de R$ 1.915,40. Além de responder pelo processo de suspensão do direito de dirigir pelo período de um ano. Da mesma forma ocorre para aqueles que se recusam a fazer o teste do bafômetro.

O condutor também pode responder por crime de trânsito. Isso se for constatada a embriaguez com uma quantidade superior a 0,33 miligrama de álcool por litro de ar expelido ou por exame clínico.

Quem for autuado pela Lei Seca tem direito à defesa em três instâncias. Ou seja, antes da conclusão do processo de suspensão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Portanto, casos de alcoolemia serão julgados com mais rapidez em São Paulo.