Vários estudos comprovam que ficar muito tempo sentado não é aconselhável para a saúde. Ou seja, isso pode aumentar o risco de morte. A Sociedade Americana de Câncer alertou para o fato de que se a pessoa passar parte do dia sentada, mesmo que ela faça exercícios regularmente, não diminui o risco de morte. Portanto, um dos estudos mais recentes, publicado em 2015 por David Alter, no Instituto de Reabilitação de Toronto, no Canadá, concluiu que a falta de mobilidade reduz a expectativa de vida em cerca de dois anos. Além de aumentar a possibilidade de doenças cardíacas, diabetes e câncer. Da mesma forma, a ergonomia dos bancos de ônibus pode influenciar na sua saúde. Confira:

Se ficar muito tempo sentado não é a melhor atitude, imagine se os bancos forem desconfortáveis?

Paulo Andrade, ex-funcionário público, realizou um estudo sobre a ergonomia de bancos de ônibus urbanos. No entanto, ao compará-los com os bancos de automóveis, concluiu que os bancos do transporte coletivo urbano têm muitos pontos a melhorar.

Os bancos de ônibus é constituído de três partes: Assento, encosto, e suporte.

O assento deve ser alto na frente, e baixo atrás. Além disso, o encosto deve ter uma boa inclinação para trás. E, a parte traseira do assento (desde seu centro até o encosto) deve ter caimento em direção ao encosto.  Ou seja, deve ser um declive em direção ao encosto. Os assentos dos bancos de automóveis têm um ângulo com a horizontal maior que os assentos dos bancos de ônibus.  Em outras palavras, o assento é bem mais alto na frente do que atrás. Como por exemplo na peruas (automóveis com tetos altos) isso também acontece.

Como a frente do assento dos bancos de automóveis é bem mais alta do que sua traseira, pode-se abstrair a ideia de que o passageiro fica levemente ’pendurado’ pelas coxas.  Entretanto, a pressão do assento contra as coxas do passageiro é difusa. Ou seja, o assento pressiona as coxas do passageiro em toda sua extensão, desde o quadril até as proximidades dos joelhos do passageiro, de maneira uniforme, difusa.

É bom que o passageiro fique levemente ‘pendurado’ pelas coxas sobre o assento.

Assim seu tronco se inclina menos para a frente quando das freadas do veículo. No que diz respeito aos encostos dos bancos de automóveis com os de ônibus, os encostos dos bancos de automóveis são bem mais inclinados para trás do que os encostos dos bancos de ônibus.  Assim o tronco do passageiro fica mais inclinado para trás, inclinando-se menos para a frente quando das freadas do veículo.

O correto é o passageiro se sentar com o quadril acomodado no fundo do banco.  Mas ele pode se sentar com o quadril distante do encosto por um pouco de tempo, para variar sua posição e prevenir algum cansaço muscular.  Num assento plano, sem afundamento, senta-se facilmente nas duas posições. Um dos itens mais importantes para a ergonomia dos bancos de veículos automotores é a facilitação do equilíbrio do tronco do passageiro quando sentado.