Parceria entre o Departamento Estadual de Trânsito (Detran/ AL) e a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (SEE) levará educação para o trânsito aos estudantes do Ensino Médio em todo o estado. Portanto, estudantes de Alagoas terão educação para o trânsito na escola. Denominado “Educando Jovens Para o Trânsito”, o programa vai abordar a temática de forma transversal e multidisciplinar nas escolas da rede pública e particular. Ou seja, dos municípios com maior índice de acidentes e mortes decorrentes de acidentes de trânsito do Estado. O projeto acontecerá durante o decorrer do ano letivo 2014. Portanto, contemplando 50 mil jovens e mais de 500 professores.

O que diz Edira Soares, chefe de serviço da Coordenadoria de Educação para o Trânsito (Edutran) do Detran/AL:

“O nosso objetivo é instrumentalizar o corpo docente e discente das escolas do ensino médio de Alagoas. Da mesma forma, com ferramentas educacionais para formar indivíduos com maior consciência e responsabilidade no trânsito”. Explica.

Para atingir esse objetivo, o Detran/AL contará com o material didático da Tecnodata Educacional. Além da capacitação de professores, que também será de responsabilidade da empresa. Portanto, o conjunto didático é composto pelo livro do aluno, e kit para o professor. Ou seja, que contém 11 DVDs, CD Multimídia e Livro do Professor, com metodologia, atividades e mapas de transversalidade. “Temos como missão desenvolver nestes alunos, através do material didático, a percepção de risco e a promoção da cidadania”. Afirma Celso Alves Mariano, diretor da Tecnodata Educacional.

Segundo o Detran/AL, o conteúdo dos kits versam sobre a transversalidade. Ou seja, com mais de 150 pontos de interseção do tema trânsito com todas as disciplinas do currículo escolar. “O material dispõe de ampla gama de recursos didáticos complementares entre si e de grande efeito sistêmico. Além disso, possibilita que o projeto seja aplicado com sucesso em escolas de diferentes realidades sociais. Assim como permite e estimula a adequação das situações estudadas às necessidades regionais e locais”. Diz Edira.

O Detran de Alagoas, através da Edutran, acompanhará todo o processo nas escolas e divulgará os resultado à comunidade. “O monitoramento e acompanhamento técnico, realizado pela Tecnodata juntamente com o Detran/AL, serão compostos por ações mensais para a geração de indicadores qualitativos e quantitativos a partir de dados coletados juntos às escolas da Rede de Ensino Médio. Os dados serão mostrados à sociedade através de relatórios informativos do acompanhamento técnico, entregues mensalmente para cada aluno, a fim de engajar, integrar e comunicar às famílias e à comunidade em geral “. Afirma a Coordenadora. Ou seja, estudantes de Alagoas terão educação para o trânsito na escola.

Capacitação de professores

A Coordenadoria Setorial de Educação para o Trânsito (Edutran) do Detran/AL já iniciou a capacitação de coordenadores educacionais e profissionais da Secretaria Estadual de Educação (SEE) que trabalharão no Programa.

Na sequência do projeto, quatro professores e um coordenador pedagógico de cada escola participante do Programa também receberão as capacitações. O objetivo, segundo o Detran/AL,  é instruir os professores para que eles incrementem na explanação dos assuntos curriculares temáticas voltadas para o trânsito.

Celso Alves Mariano, responsável por ministrar a capacitação, destacou a importância desse trabalho para a formação de futuros condutores mais conscientes de sua responsabilidade. “O professor tem um papel fundamental nesse processo. Ele é o mediador, o incentivador, o instigador do conhecimento. Ele estará ajudando a formar um cidadão mais preparado e consciente de seu papel no trânsito”. Afirmou.

Por que o Ensino Médio?

Os jovens representam o maior grupo de risco no trânsito do estado de Alagoas. De acordo com as estatísticas do Detran/AL, os jovens de 14 a 29 anos são as maiores vítimas de acidentes de trânsito no Estado. Por esse motivo, a importância desse trabalho de conscientização nas escolas.

O trabalho do Detran representa uma evolução no processo de educação de trânsito no Brasil e deve contribuir, muito, com a formação de condutores no Estado. Segundo Mariano, os alunos chegarão mais preparados na autoescola. “Fizemos uma pesquisa recentemente, e os CFCs (Centros de Formação de Condutores) sinalizaram que é muito difícil conscientizar um candidato que chega sem noção nenhuma do trânsito”. Explica.  Ainda de acordo com Mariano, este programa tende a suprir essa necessidade. “As escolas trabalharão a parte de conscientização e os CFCs ficarão com a parte técnica do processo. Com certeza o candidato à CNH chegará mais focado na autoescola e a tendência é aproveitar ainda mais o curso de formação de condutores”. Finaliza Mariano.