Depois da aquisição de veículos, o item que mais pesa na planilha das despesas com frotas é o de combustíveis. Eles podem representar de 20% até 40% dos gastos. Ou seja, dependendo da quantidade de quilômetros rodados. Mas nem todo esse valor queima no motor. Em outras palavras, uma parte se perde graças a maus hábitos de direção. Além da falta de manutenção nos veículos e até mesmo a fraudes que o tradicional controle de notas dos postos não consegue detectar. Quando essas ineficiências são eliminadas, algumas empresas conseguem economizar de 15% a 25% do combustível utilizado em suas frotas.

Portanto, desde o último aumento no preço do diesel e da gasolina o volume de consultas às empresas de gestão de despesas de veículos cresceu cerca de 25%. Ou seja, elas permitem cortar gastos com combustíveis por meio de controles e travas parametrizadas. Assim como escolha dos postos e quantidade, periodicidade e preço pago por abastecimento, entre outros. Quando a gestão do combustível é atrelada a rastreadores, a eficiência é ainda maior. Ou seja, é possível também controlar se o motorista está fazendo rotas adequadas, se a quilometragem é compatível com os roteiros e corrigir, caso a caso, os pontos fora da curva.  Os clientes também se beneficiam da negociação que essas empresas tem com postos de combustível em todo o País.  Há empresas que reduziram a litragem média em 15% com serviços de gestão profissionais.

Opinião de Ricardo Albregard, presidente da AGEV-Associação de Gestão de Despesas de Veículos

“A gestão de combustíveis injeta capital de giro no negócio”. Sintetiza. “E quando passamos da gestão do combustível para outros itens, a redução de despesas é ainda maior. Portanto, em uma abordagem integral, há empresas que conseguem reduzir as despesas com frotas em até 40%. Ou seja, somando abastecimento e manutenção”. Detalha.  “Oferecemos o gerenciamento e controle dos chamados custos visíveis. Como por exemplo, o consumo de combustível e de manutenção dos veículos. Da mesma forma, os custos invisíveis, oriundos do desempenho dos motoristas”. Completa.

Todas as soluções oferecidas pelas empresas de gestão de despesas de frotas permitem coletar, via POS, Web, Anel, RFID, etc. Ou seja, informações como volume de combustível, tipo de combustível, dados do condutor. Além disso, os Km dos veículos, número de OS, dentre outras, que são o diferencial e a base das soluções de produtividade e eficiência. Portanto, elas geram relatórios comportamentais de veículos e modo do condução cujos dados permitem detectar desde o de combustíveis até consumo e quilometragem excessiva, passando pelo desgaste de peças.

As empresas associadas da AGEV fazem gestão de todo tipo de frota – carro, moto, caminhão e veículos especiais, como ambulâncias, por exemplo, e até embarcações náuticas.  Porém a maior parte dos clientes tem frotas pesadas (caminhões) ou leves (carros, em frotas urbanas).  “Estimamos que apenas 25% das empresas usem serviços profissionais de gestão de despesas com seus veículos”. Destaca José Francisco Gomes da Silva, diretor da AGEV.   “O potencial de racionalização do uso dos combustíveis pelas frotas brasileiras, portanto, é enorme”. Completa.

Sobre a AGEV

Fundada em 2010, a AGEV reúne empresas que, juntas, respondem por 95% do atual mercado de gestão de frotas.  Através das soluções oferecidas, os clientes podem gerir suas despesas veiculares, inclusive controlando o tipo de combustível consumido e o desempenho de cada veículo. Tais práticas formam ciclos virtuosos na economia, contribuindo para reduzir a emissão gases efeito estufa, poluentes atmosféricos e acidentes de trânsito, proporcionando maior controle governamental.  Mais informações: www.agev.org.br