Imprudência é a principal causa dos acidentes que ocorrem no trânsito. Há anos, os órgãos que trabalham com as leis e organizações do sistema procuram de alguma forma conscientizar os motoristas. Portanto, um dos meios utilizados são as campanhas educativas.

No entanto, as estatísticas ainda demonstram que esses condutores continuam a descumprir as leis. Além disso, contribuem para transformar o trânsito em uma fonte de morte, até mais que uma guerra.

O acidente registrado em Manaus no último dia 28, ocorrido na avenida Djalma Batista, Zona Centro-Sul impactou a população local. Ou seja, nos últimos dez dias tem pedido uma resposta emergencial para o trânsito da capital.

Conforme o Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) de janeiro a dezembro do ano passado, 256 pessoas morreram em acidentes de trânsito. Desses dados 48,11% eram pedestres. Assim como 36,32% eram motoqueiros, 9,43% motoristas, 4,72% passageiros, 1,42% ciclistas e 44 vítimas não identificadas.

Para agilizar a elaboração de novas leis e punir as pessoas que continuam a desobedecer as normas do trânsito, o diretor presidente do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-AM), Leonel Feitoza, esteve na Câmara Municipal de Manaus (CMM). Ou seja, lá ele expôs alguns quesitos considerados de urgência e que devem ser implantados.

Medidas

O uso obrigatório de tacógrafos nos veículos pesados e nas motocicletas empregadas em mototáxi e frete. Assim como a cassação de alvarás de funcionamento daqueles estabelecimentos que permitem o consumo de bebida alcoólica nas lojas de conveniência. Além disso, uma parceria com a (Manaustrans). Ou seja, essas foram algumas das sugestões apontada pelo ex-vereador e ex-presidente da Casa Legislativa.

“Nas operações que o Detran realiza, constatamos que uma boa parte dos veículos pesados ou não tinham tacógrafo ou o medidor não funcionava”. Explica Feitoza, justificando a necessidade do instrumento.

Outra medida por ele é a de que todas as empresas proprietárias de veículos pesados a cada dois meses encaminhe ao órgão um relatório da frota. No relatório deve conter os dados dos aparelhos, para que haja um controle.  As multas aplicadas, para Feitoza, devem conter um valor mais significante. Ou seja, assim como o número de pontos perdidos na carteira.

O Manaustrans diariamente convive com acidentes, e de acordo com o presidente do órgão, Paulo Henrique Nascimento Martins, quase todos ocasionados por imprudência. Em outras palavras, ocorre em qualquer rua, e até mesmo em rodovias.

Em visita a Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), Paulo Henrique desabafou ao dizer que o Denatran não possui o número de funcionários suficientes para atuar com mais vigor. Assim como o Contran não sabe da situação em que o trânsito se encontra.

Portanto, através da informação de que a imprudência é a principal causa dos acidentes que ocorrem no trânsito, medidas dos órgãos responsáveis devem ser tomadas para evitar o número de vitimas.