O velho conceito sobre o perfil do caminhoneiro caiu em desuso. No entanto, a imagem de uma pessoa mais velha e de pouco conhecimento é afastada por uma nova pesquisa feita pelo Instituto Julio Simões. braço da companhia JSL, mais empresa de logística rodoviária do país. Conheça o perfil dos caminhoneiros das estradas do nosso país. Além disso, o levantamento mostra que os caminhoneiros que viajam pelas estradas brasileiras possuem idade média de 36 anos e estão antenados com as novas tecnologias.

Entenda melhor:

A nova geração de caminhoneiros é, na maior parte, casada, e trabalha entre 8 e 10 horas por dia. A sondagem faz parte das ações do Programa Pela Vida. Que oferece portanto, orientações de saúde, finanças e segurança nas rodovias e atendeu 14.238 motoristas em 2015. Nosso levantamento visa, em primeiro lugar, traçar o perfil do profissional das estradas e quais as transformações que ele vem passando ao longo dos últimos anos.

Outro conceito afastado na pesquisa é o legado deixado pelo pai aos seus filhos. Entretanto, cada vez menos jovens têm seguido os passos dos pais em assumir o volante de veículos de carga pesada. O reflexo disso, conforme interpretado na pesquisa, é a idade média do início da carreira dos profissionais atualmente. Metade dos entrevistados começou a trabalhar nas estradas aos 36 anos.

Mas aumenta também a participação no mercado de motoristas mais velhos. O número de caminhoneiros com mais de 55 anos triplicou em três anos. Eles já representam 10% do mercado.

Ainda segundo a pesquisa, grande parte dos profissionais atua há mais de cinco anos no mercado (87%); detêm vínculo empregatício (74%); e curso de direção defensiva (77%). “Atualmente, há uma preocupação das empresas e dos próprios motoristas em fortalecer a profissão. Percebemos que junto com o amadurecimento profissional houve uma transformação do setor”, reforça Luciana.

Conectado

Mudanças no perfil do motorista profissional com relação à procura por informação também são verificadas na pesquisa. Agora o novo caminhoneiro é profissional liberal, organizado em pequenas empresas ou cooperativas. Investe em veículos modernos e está cercado de tecnologia. Muitos usam aplicativos de fretamento para fechar contratos. Para o diretor de operações da JSL, Adriano Thiele, a efetivação dessa mudança tecnológica será a grande transformação do setor nos próximos anos.

Os profissionais também se queixaram na entrevista de jornadas de trabalho desgastantes. Para aguentar mais de 10 horas nas estradas, caminhoneiros se arriscam e põem também em perigo a vida de terceiros. Grande parte dos profissionais assumiu consumir ou ter consumido bebida alcoólica (47%). Outros 20% confirmaram que usam estimulantes e, em mesmo percentual, que já experimentaram drogas ilícitas, como cocaína, maconha ou LSD.

Chama atenção também o sedentarismo na profissão, mais de 71% dos profissionais dizem não praticar nenhum tipo de atividade física: “A implantação da lei do caminhoneiro, aliada ao aumento de fiscalização pelas próprias empresas, tende a contribuir para um aumento na qualidade de vida do próprio profissional e para, cada vez mais, a valorização dele no mercado”, finaliza Thiele.​

O que achou do perfil dos caminhoneiros nas estradas do nosso país?