A mais nova campanha do movimento Maio Amarelo, que ganha nesta terça-feira ações nas redes sociais, tem a proposta de alertar o país contra a epidemia de mortes no trânsito. E apela para o número de vítimas fatais em acidentes, que chega a 43 mil por ano.

O apelo é que a epidemia precisa acabar. Nas peças, alguns números da violência no trânsito no Brasil, conforme estatísticas do DataSUS 2014. O órgão quer evidenciar que as mortes precisam ser freadas e que isso depende da responsabilidade de cada motorista.

O engajamento é fundamental para o sucesso da iniciativa. O movimento mobiliza cidadãos a adotarem a hashtag “#eusou+1porumtransitomaishumano”. Também é possível personalizar as páginas adotando o twibbon nas fotos de capa e de perfil, com esse slogan.

A campanha busca ainda convencer a sociedade de que assim como todos os problemas de caráter coletivo, poucos são aceitos individualmente. Com o trânsito, o cenário não se altera. “Costumamos a achar que fazemos tudo certo e enquanto isso os problemas prevalecem. É assim com a questão do lixo, com as epidemias que demandam conscientização social como a dengue, com o problema de escassez da água, quando delegamos a economia ao governo e não a praticamos”, afirma o Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV).

Ainda segundo o observatório, a campanha traz um apelo para a sociedade deixar de terceirizar os problemas e sua responsabilidade. “Queremos mudar a lógica que o problema é responsabilidade dos outros e convidar a sociedade para essa mudança. Se cada um respeitar o trânsito, somaremos mais um em prol de uma sociedade mais segura e protegeremos milhares de vidas. O Maio Amarelo quer que todos sejam ‘mais um por um trânsito mais seguro”, finaliza.