O respeito às normas e uma dose de gentileza podem ajudar na convivência no trânsito e diminuir estresses do dia-a-dia. Portanto, é possível melhorar o fluxo se cada um cumprir o seu papel. Mudança de comportamento: “Você não está no trânsito. Você é o trânsito”. A frase, que já inspirou um premiado documentário brasileiro sobre mobilidade , é pequena, mas faz uma diferença danada. Ou seja, o ir e vir na cidade não é fácil. No caos provocado pela falta de planejamento urbano, sofre pedestre, ciclista, motociclista e motorista. Além disso, sofre também o usuário do transporte público. Todos esbravejam – é mais fácil apontar a culpa do que fazer parte da solução. Entretanto, e se assumíssemos a nossa parte da responsabilidade por um trânsito melhor, faria diferença?

Para especialistas ouvidos pelo O POVO, a resposta é clara: sim. “Falta civilidade, que é a noção clara de que somos parte de uma sociedade e que não estamos sozinhos no espaço público, tendo que, constantemente, negociar nossas prioridades com as dos outros. No trânsito, vemos amostras grátis de como anda o nosso termômetro de civilidade”, explica a professora do departamento de Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC) e especialista em Mobilidade Humana, Gislene Macêdo.

Segundo a professora, o trânsito funciona como extensão de outras esferas da vida pública em que o individualismo fala mais alto. É o caso, por exemplo, do motorista que não vê empecilho em utilizar vagas para idosos ao estacionar ou o motociclista que realiza uma conversão pelo canteiro central. “A vida na cidade é tensa, você está cansado, está correndo. É um negócio meio bola de neve. Está congestionado, você faz besteira e acaba, muitas vezes, complicando o problema”, comenta o professor do curso de Engenharia de Trânsito da UFC, Mário Ângelo Azevedo.

Tem jeito?

Seguir as normas de trânsito, aponta o professor, já é um começo. “Se você seguir as regras, a coisa já funciona. Não andar na contramão, não ultrapassar sinal vermelho. Esses são comportamentos de risco. Se todo mundo comprasse essa ideia, ela funcionaria”, reforça Azevedo. Ações como ceder a passagem para o carro vizinho ou diminuir a frequência das buzinas, completa, também não fazem mal. O exercício da gentileza pode ser uma ferramenta importante para a convivência no trânsito.

“Gentileza hoje é uma coisa muito rara, principalmente em grandes cidades, mas é importante que nós a exercitemos”, afirma Ângela Maria de Souza, gestora em educação para o trânsito do Instituto Paz no Trânsito, organização não-governamental que trabalha com projetos de educação em mobilidade urbana. Ângela acredita que, se assumirmos o nosso papel dentro da coletividade urbana, uma mobilidade “mais humana” pode ser construída. “Se cada um fizesse um pouquinho, nós teríamos um trânsito mais sustentável e um motorista mais gentil. Gentileza gera gentileza, né?”.

 

Mudança de comportamento: “Você não está no trânsito. Você é o trânsito”