Não é nenhuma novidade que o transporte seguro de crianças em veículos automotivos é de responsabilidade dos adultos. Mas, ainda assim, muitos responsáveis são negligentes nesse assunto. Seja porque desconhecem as normas de segurança, ou porque não acham necessárias. Assim como podem acreditar que um acidente nunca acontecerá com eles. O cuidado com a segurança das crianças é uma forma de amor. A realidade é que, no Brasil, entre 2008 e 2014, as ocorrências de acidentes envolvendo crianças, cujas indenizações foram solicitadas à Seguradora Líder–DPVAT, tiveram um crescimento de 192%.

Cuidados básicos para serem tomados:

As crianças precisam de atenção e cuidados especiais desde a gestação. As mulheres grávidas precisam saber que o cinto de segurança deve ser ajustado para não ficar sobre a barriga. A faixa diagonal deve passar no meio do ombro. Depois disso, entre os seios e ficar lateralmente ao abdômen. Assim como a faixa inferior deve ficar abaixo da barriga.

Depois do nascimento, devemos usar os equipamentos especiais: bebê-conforto, cadeirinha e assento de elevação, sempre acompanhados do cinto de segurança. Veja mais informações neste post.

Já nas motocicletas, o cuidado é diferente. De acordo com o Código Brasileiro de Trânsito, a idade mínima para o transporte neste tipo de veículo é de 7 anos. Além disso, é necessário que a criança tenha a altura apropriada, para que seus pés fiquem apoiados na pedaleira e ela consiga ter firmeza nas mãos e braços.

Já falamos desses assuntos aqui no blog, mas nunca é demais relembrar. Também é responsabilidade dos adultos ensinar as crianças a se comportarem na rua: andar sempre pela calçada, não correr, respeitar a sinalização e atravessar sempre na faixa.

Se você cuida e educa hoje uma criança, está ajudando a formar um cidadão mais consciente no trânsito do futuro. Além disso, o cuidado com a segurança das crianças é uma forma de amor!