Uma das maiores causas de acidentes no trânsito é o excesso de velocidade. Levantamento do DER (Departamento de Estradas de Rodagem) mostra que ultrapassar o limite de velocidade da via foi a infração mais frequente em 2014. Além disso, provocou cerca de 3 milhões de multas só no estado de São Paulo. O oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, perito em medicina do trânsito e membro da ABRAMET (Associação Brasileira de Medicina do Tráfego) afirma que o alto número de motoristas multados está relacionado não só à imprudência. Ou seja, Está relacionado também ao uso de película nos vidros do carro, muito escura. “Diversos estudos demonstram que no escuro perdemos a noção de velocidade. Além disso, o problema é que de acordo com uma estimativa da OMS, trafegar 5% acima da velocidade permitida aumenta em 20% a chance de acidente grave”. Explica o médico.

A boa notícia é que um novo tipo de película transparente pode ser aplicada no vidro dianteiro do carro. E, acima de tudo, sem prejudicar o conforto e a saúde. Ou seja, ela reduz a absorção de calor. Da mesma forma, também evita danos no interior do carro e filtra a radiação UV que aumenta o risco de surgir doenças oculares. Em outras palavras, como por exemplo, catarata, pterígio, ceratite e degeneração macular.

Visibilidade

Queiroz Neto ressalta que cerca de 50% dos motoristas precisam usar lentes com grau para corrigir vícios refrativos (miopia, hipermetropia,astigmatismo) ou já têm algum grau de catarata. “Estas alterações visuais diminuem o reflexo, a rapidez de leitura, a percepção de profundidade, contraste e visão de cores”, afirma. Quanto mais escura a película, maior o prejuízo dessas funções. Por isso, ele acredita que a nova película reduz o risco de acidente para este grupo, embora a legislação permita transmissão luminosa de 75% nos vidros dianteiros incolores e de 75% nos coloridos.

Dicas para a película nos vidros do carro

O especialista explica que na luz do dia são as células da retina conhecidas como cones que respondem pela visão de cores e detalhes. Conforme escurece são os bastonetes, células sensíveis à luz, que passam a responder pela formação das imagens. Esta transição faz com que no entardecer os míopes percam até 25% da acuidade visual e quem tem astigmatismo ou catarata sinta mais ofuscamento.

As dicas elencadas pelo médico para manter a boa visibilidade no final da tarde são:

  • Usar lentes amarelas para reduzir o ofuscamento e melhorar a visão de contraste.
  • Na neblina acender o farol baixo e ficar atento ao velocímetro.
  • Ligar o ar condicionado para desembaçar o vidro dianteiro.
  • Manter os faróis e vidros limpos.
  • Utilizar lágrima artificial caso sinta os olhos ressecados.