No Brasil, o transporte público é responsável pelo deslocamento diário de 46 milhões de brasileiros. Além disso, a estimativa é que 87% dessas viagens são feitas por ônibus. Ou seja, motivada pelas manifestações populares que mobilizaram todo o país no ano passado, a Associação Nacional das Empresas de Transporte Público (NTU), apresentou durante o Seminário Nacional 2014, uma pesquisa realizada com lideranças ligadas ao setor. Portanto, para saber quais as soluções para os anseios da população. O tema que permeou os dois dias do encontro, realizado em Brasília (27 e 28 de agosto), foi: “Transporte Público Urbano: como atender as demandas sociais?”.

Foram entrevistados 91 formadores de opinião. Como por exemplo: gestores públicos, empresários, jornalistas, especialistas, parlamentares, representantes de Conselhos das Cidades e acadêmicos. Os questionários foram aplicados por telefone entre os dias 7 e 25 de julho de 2014.

Cumprimento do horário, tempo da viagem e segurança são os principais atributos para um transporte de qualidade

Para 81% dos entrevistados, a população está mais preocupada com os reajustes das tarifas dos transportes do que com as contas de água, luz e telefone, por exemplo. Ou seja, para 56,8%, as passagens de ônibus são um gasto diário. Nesta perspectiva, para 39,6% dos entrevistados, a tarifa social justa ou acessível seria aquela que não compromete a renda do trabalhador. No entanto, para 23,1%, as passagens deveriam ser 100% subsidiadas pelo Governo Federal. Além disso, para 18,7% a tarifa social deveria ser aplicada apenas para aqueles que precisam. Uma das formas para baratear as passagens do transporte público seria a subvenção dos custos do serviço. Neste sentido, 92,3% apoiam a cobrança nos estacionamentos públicos. E, 85% concordam com a taxação da gasolina. Em algumas cidades da Europa, o usuário paga menos de 50% do custo da tarifa.

Quando o assunto é a qualidade do transporte público, os participantes da pesquisa dizem que são necessários investimentos públicos. Ou seja, em sistemas com alta capacidade de locomoção de massas, como o BRT (Bus Rapid Transit) e Metrô (74,7%). Assim como em faixas exclusivas para ônibus (69,2%) e tecnologias como sistemas inteligentes de transporte e bilhetagem eletrônica (68,1%). Já os principais atributos são: regularidade do serviço – cumprimento do horário (73,6%). Além do tempo total da viagem, incluindo tempo de espera (72,5%) e segurança no exterior e no interior dos veículos (57,1%).

O que diz o presidente executivo da NTU, Otávio Vieira da Cunha Filho sobre a melhoria do transporte público:

Para ele, os resultados apresentados pela pesquisa são contundentes. Portanto, mesmo não sendo uma pesquisa quantitativa, mas uma sondagem de tendências. Ou seja, ela aponta quais foram as grandes reivindicações do movimento. “É preciso que se priorize o transporte público no Brasil com investimentos permanentes do Governo Federal em infraestrutura e a subvenção ao serviço de transporte”. Destacou. Os resultados da pesquisa podem suscitar planos e ações daqueles que são responsáveis por estruturar, planejar e operar os sistemas de transporte público no país. Em outras palavras, com objetivo de atender a sociedade da maneira que se espera. Cunha ainda comentou que será lançada nos próximos dias, uma carta à sociedade que também será destinada aos presidenciáveis com as principais propostas debatidas durante todo o evento.

Também com parte da programação do seminário especialistas, operadores e representantes da indústria apresentaram e debateram as inovações em tecnologia para a operação do ITS (Sistema de Transporte Inteligentes). Os temas apresentados foram:

  • perspectivas dos ITS no Brasil,
  • bilhetagem eletrônica e tecnologias para controle de gratuidades e gestão operacional,
  • informação ao usuário.

Além disso, na noite do dia 27, uma cerimônia homenageou personalidades do segmento com a Medalha do Mérito do Transporte Urbano Brasileiro 2014.