O Instituto de Ortopedia e Traumatologia (IOT) do Hospital das Clínicas de São Paulo divulgou, em agosto, uma pesquisa que aponta o perfil das vítimas de acidentes de moto na capital. O estudo aponta que entre as 326 vítimas analisadas no período entre fevereiro e maio deste ano, 67% não frequentaram a motoescola. Da mesma forma, ao menos 21,3% dos usuários de motos consumiram álcool ou droga antes dos acidentes. Os dados também revelam que as principais vítimas não são os motoboys ou motofretistas. Ou seja, são motociclistas que utilizam a moto para ir e voltar do trabalho. Portanto, correspondendo a 77% dos casos. Do total, 90% são homens com média de idade de 30 anos.

Entenda melhor sobre a pesquisa que aponta o perfil das vítimas de acidentes de moto na capital:

De acordo com o IOT a maioria dos acidentes com motos ocorrem em horários de pico e 70% em vias retas.  Dados da Seguradora Líder DPVAT reforçam as informações. Ou seja, no primeiro semestre de 2013, a motocicleta representou a maior parte das indenizações do Seguro DPVAT. Portanto, alcançando 72% dos pagamentos, sendo o anoitecer o período de maior incidência de acidentes indenizados, seguido pela tarde.

A faixa etária de 18 a 34 anos foi a de maior incidência, com 53% dos casos. Destes, 45% foram decorrentes de acidentes com motocicletas. Além disso, a frota de motocicletas,  que representa 27% da frota nacional de veículos, foi a responsável por 41% das indenizações pagas para casos de morte, entre janeiro e junho deste ano.

Acidentes com motocicletas podem ser muito mais graves do que acidentes com outros veículos. Isso porque o motociclista fica mais exposto. É muito importante que todos tenham a consciência do quanto é importante saber pilotar uma moto corretamente antes de sair às ruas. E, além disso, o uso de álcool ou droga no trânsito deve ser sempre evitado. Não use drogas. A vida vale muito mais que tudo isso!