De acordo com dados divulgados pelo portal do PARADA – Pacto Nacional pela Redução de Acidentes, desde outubro de 2010, o Brasil tem mais celulares do que pessoas. Ou seja, hoje em dia, para cada 100 habitantes no país, há aproximadamente 135 celulares. No entanto, esses números trazem consequências para várias áreas, inclusive para o trânsito. Para chamar a atenção para os sérios riscos que a distração causada pelo celular pode causar, o PARADA lançou uma nova campanha. Acima de tudo, seu slogan é: Trânsito sem celular. Atenda a esse chamado. Seja você a mudança no trânsito.

O que a ação quer dizer:

A ação demonstra algumas situações de risco para retratar o quão absurdo é o hábito de usar o celular no trânsito. Como por exemplo: um açougueiro cortando carne enquanto fala ao celular; um marceneiro utilizando uma moto serra também usando o celular. Assim como uma médica operando um paciente atendendo ao telefone. Portanto, todas essas situações remetem ao risco de se realizar algo potencialmente perigoso prestando atenção em outra coisa. Em primeiro lugar, vemos que a distração causada pelo celular no trânsito pode causar acidentes perigosíssimos. Que acima de tudo, podem ter como resultado o óbito. Seja de quem usa o celular ou de outras pessoas no trânsito.

Em recente pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (Sbot) nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, uma triste realidade fica evidente. Ou seja, 84% dos motoristas admitem usar o aparelho celular enquanto dirigem. Além disso, 48% dos entrevistados dizem que já passaram por alguma situação de risco ao volante. Em outras palavras, causada por uma distração, e em 23% dos casos o celular foi o responsável pelo incidente.

É preciso lembrar que aqui no Brasil, conversar no celular ao volante é considerado infração grave. Ou seja, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro. Portanto, os infratores recebem multa de R$ 127,69 e penalidade de cinco pontos na carteira de habilitação.

Trânsito sem celular