Veículos bem conservados são mais econômicos, consomem, quebram e depreciam menos. Além disso, um veículo em mau estado de conservação está sujeito a falhas, panes, infrações, penalidades e até acidentes de trânsito.

Por esse motivo, o Portal do Trânsito lista alguns conhecimentos básicos para o dia a dia de condutores e usuários comuns. Portanto, os itens destacados necessitam de verificação e atenção constantes. Além disso, afetam diretamente a segurança.

Conhecendo o veículo

Conhecer bem o veículo é fundamental. Portanto, o condutor deve ler cuidadosamente o manual do veículo, pois ele mostra todas as particularidades e recursos específicos de cada modelo. Além disso, é necessário conhecer a localização e a função de todos os comandos do veículo. Ou seja, saber interpretar corretamente todos os indicadores do painel. Em suma, não conhecer bem o veículo pode levar a situações de risco.

Antes de sair

Antes de sair de casa, o condutor precisa verificar se toda a documentação está ordem. Além disso, saber se o veículo está funcionando corretamente e se ele está apto a dirigir. Depois disso, é possível dar a partida no motor. Portanto lembre-se: só se deve ligar o carro se todos os ocupantes estiverem de cinto de segurança.

O correto é aquecer o motor com o veículo em movimento. Consequentemente, não acumula gases tóxicos na garagem. Portanto, aquece, além do motor, todo sistema de transmissão.

Combustível

Para funcionar bem, o motor precisa de combustível de boa qualidade. No entanto, combustível de má qualidade com água, impurezas ou adulterado, irá prejudicar o bom funcionamento e poderá danificar o motor.

O ideal é andar sempre com o tanque cheio. Da mesma forma, trafegar com combustível “sempre na reserva” provoca o acúmulo de água dentro do tanque. Portanto, diminuindo muito a qualidade do combustível. Além disso, afeta o desempenho do motor e pode danificar o sistema de injeção e a bomba de combustível.

Lubrificante

O lubrificante cria uma película protetora com a finalidade principal de reduzir o atrito e o desgaste entre as peças móveis do motor. Então. se faltar óleo ou se ele estiver em más condições, o motor poderá danificar-se rapidamente. Portanto, a recomendação é fazer as trocas de óleo dentro da quilometragem prevista pelo fabricante. Entretanto, em condições severas, a troca deve ser antecipada.

Freios

O freio do veículo serve para reduzir a velocidade ou fazer o veículo parar completamente. Portanto, os freios são itens de segurança. Então, é dever do condutor ou proprietário mantê-los em ótimo estado de funcionamento. Acima de tudo, os cuidados são: fazer revisões para verificar o estado de lonas ou pastilhas, discos e demais componentes. Assim como saber se o fluido precisa ser drenado e substituído, periodicamente. Além disso, é importante conhecer e praticar técnicas para poupar o sistema de freios.  Aumentando então, a vida útil de seus componentes.

Pneus

Os freios param as rodas, mas são os pneus que param o veículo. Como todos os demais itens de segurança, os pneus devem ser constantemente verificados. Os principais cuidados com os pneus são:

  • Calibrá-los regularmente, obedecendo às recomendações do fabricante. Entretanto, pressões incorretas, principalmente abaixo do normal, causam desgaste prematuro e desestabilizam o veículo.
  • Para o pneu ficar com a pressão correta ele deve ser calibrado quando estiver frio.
  • É necessário fazer o balanceamento das rodas e alinhamento de direção. Ou seja, sempre que trocar os pneus ou notar vibrações no veículo e oscilações no volante. Assim como, alinhamento incorreto pode causar desgaste prematuro, diminuindo muito a durabilidade dos pneus.
  • O estepe deve estar sempre em perfeitas condições de uso.
  • Sempre que “bater” com os pneus em buracos na pista, leve para um especialista examinar. Acima de tudo, porque esse tipo de incidente pode danificar as fibras internas do pneu. Portanto, nesses casos, surgem bolhas nas laterais e pontos fracos que diminuem muito a segurança.
  • Pneus com profundidade de sulcos menor que 1,6 mm já são considerados “carecas”. Além disso, seu uso é proibido porque aumenta muito o risco de aquaplanagem. Portanto, sua segurança fica seriamente comprometida.

Manutenção preventiva

Fazer a manutenção preventiva é muito mais econômico porque geralmente evita que os problemas se agravem. Portanto, a melhor maneira de fazê-la é seguir as recomendações indicadas pelo fabricante, dentro dos prazos e quilometragem do manual do veículo. Além disso, veículo em mau estado de conservação está sujeito a falhas. Em veículos mais antigos ou que não possuem manual, é importante estabelecer um programa próprio de manutenção periódica.